Anthony Harvey (1968), O leão no Inverno, título original: The lion in winter, actores: Peter O’Toole, Katharine Hepburn, Timothy Dalton, Anthony Hopkins. No Natal de 1183, o rei Henrique II de Inglaterra convoca uma reunião para nomear o seu sucessor. Para o evento são chamados a sua mulher, a rainha Leonor da Aquitânia, que o rei mantinha enclausurada num castelo, acusada anos antes de atentar contra o seu poder, a sua amante, princesa Adèle de France, com quem deseja casar-se, os seus três filhos – Ricardo, Godofredo e João – todos com ambições ao trono, e o jovem mas astucioso rei Filipe Augusto de França, que é também irmão de Adèle. Uma reflexão sobre a disputa pelo poder e modelos de sucessão dinástica nos reinos medievais.


 

Anthony Mann (1961), El Cid, título original: El Cid, actores: Charlton Heston, Sophia Loren, Raf Vallone, Geneviève Page, John Fraser, Herbert Lom.  Um épico sobre o histórico e lendário herói castelhano, Rodrigo Diaz de Vivar, mais conhecido por El Cid Campeador, que se notabilizou na guerra contra os muçulmanos, na segunda metade do século XI, e chegou a formar um reino independente em Valencia. A reconstituição das batalhas dos tempos da chamada reconquista cristã e a evocação das relações de fronteira entre as duas comunidades religiosas e culturais, bem menos lineares do que geralmente se pensa, fazem deste filme um bom recurso visual para o estudo da Idade Média peninsular.

 

Antoine Fuqua (2004), Rei Artur, título original: King Arthur, actores: Clive Owen, Ioan Gruffudd, Keira Knightley, Ivano Marescotti, Hugh Dancy, Ray Winstone, Mads Mikkelsen, Joel Edgerton, Stephen Dillane. Artur é um líder relutante, que deseja deixar a Bretanha e retornar a Roma para viver em paz. Porém, antes que possa realizar esta viagem, parte em missão ao lado dos Cavaleiros da Távola Redonda, formada por Lancelot, Galahad, Bors, Tristan e Gawain. Nesta missão, Artur toma consciência de que, quando Roma cair, a Bretanha precisará de alguém que guie a ilha nos novos tempos e a defenda das ameaças externas. Com a orientação de Merlin e o apoio da corajosa Guinevere ao seu lado, Artur decide permanecer no país para o liderar. Adequado para tratar os tempos da queda do Império Romano e a fragmentação da Europa em múltiplas unidades políticas.

 

Brian Helgeland (2001), Coração de cavaleiro, título original: A Knight’s Tale, actores: Heath Ledger, Rufus Sewell, Mark Addy, Shannyn Sossamon, Paul Bettany. Após a morte súbita do seu mestre, William, um simples escudeiro, resolve substituí-lo numa competição de justa. Para isso, passa a treinar exaustivamente e consegue convencer Geoffrey Chaucer, escritor, a forjar uma árvore genealógica para si, que faria com que ele tivesse uma família nobre e não suscitaria dúvidas quanto à sua participação num torneio. Enquadra-se nos conteúdos programáticos sobre a sociedade medieval, especificamente as características do grupo nobre.

 

Carl Dreyer (1928), A Paixão de Joana d’Arc, título original: La Passion de Jeanne d’Arc, actores: Maria Falconetti, Eugene Silvain, André Berley, Maurice Schutz, Antonin Artaud, Michel Simon, Jean d’Yd, Louis Ravet, Armand Lurville. Filme mudo com extraordinários grandes planos do rosto dos actores, transmitindo intensa expressividade. Baseia-se nos manuscritos oficiais do processo de julgamento da donzela de Orleães e foi filmado oito anos depois da canonização de Joana e dez anos após o fim da I Guerra Mundial, acontecimentos que terão pesado na realização (os capacetes dos ocupantes ingleses de 1431, por exemplo, assemelham-se aos do exército inglês na Grande Guerra). Este filme cobre apenas a fase do processo e pode ser aproveitado para explorar o tema da espiritualidade medieval.

 

Clive Donner (1988), Em nome de Deus, título original: Stealing Heaven, actores: Derek De Lint, Kim Thomson, Denholm Elliott, Bernard Hepton, Kenneth Cranham, Patsy Byrne, Cassie Stuart. Em Paris, no século XII, Abelardo, filósofo e teólogo ligado à escola da catedral de Notre Dame, apaixona-se por uma sua discípula erudita, Heloísa. Devido a esse envolvimento amoroso foi vítima de castração, passando ambos a viver em mosteiros e a contactarem por correspondência. Abelardo foi bastante polémico nas posições que defendia e no ensino que praticava, no âmbito das quais se envolveu com Bernardo de Claraval. Pode ser um bom exemplo para explorar o dinamismo cultural do século XII.

 

Franco Zeffirelli (1972), São Francisco de Assis, título original: Fratello sole, sorella luna, actores: Graham Faulkner, Judi Bowker, Leigh Lawson, Kenneth Cranham, Lee Montague, Valentina Cortese, Alec Guinness, Michael Feast, Nicholas Willatt, John Sharp, Adolfo Celi. Nesta reconstituição e interpretação da vida de S. Francisco de Assis acompanharemos o percurso do Santo desde antes da sua conversão até à sua audiência com o papa Inocêncio III. Um bom recurso para explorar os aspectos ligados à santidade e o contraste entre a espiritualidade cristã e o poder temporal da Igreja da medieval, mas sobretudo para o contexto e caracterização das ordens mendicantes, a regra e o impacto social da sua actuação.

 

Franklin Schaffner (1965), O senhor da Guerra, título original: The war lord, actores: Charlton Heston, Richard Boone, Rosemary Forsyth, Maurice Evans, Guy Stockwell, Niall MacGinnis, James Farentino, Henry Wilcoxon, Sammy Ross, Woodrow Parfrey. Um drama histórico ambientado na Alta Idade Média, no âmbito das invasões nórdicas, que conta a história de um cavaleiro ao serviço do duque da Normandia, enviado para um remoto povoado na costa inglesa assolado por frequentes ataques de frísios e onde fracassara uma tentativa anterior de construir uma fortaleza. Ao novo senhor da terra tudo parece correr bem, até que um dia decide invocar uma certa lei de “primeira noite” (jus primae noctis) que lhe permite possuir qualquer noiva na noite anterior às núpcias. Tal acto acaba por provocar uma aliança entre os camponeses e os invasores frísios na tentativa de o derrubarem. Demonstrativo da natureza das relações entre senhores e camponeses e das condições históricas que permitiram a afirmação do poder senhorial.

 

Giuliano Montaldo (1982), Marco Polo, título original: Marco Polo, actores: Ken Marshall, Denholm Elliott, Tony Vogel, F. Murray Abraham. A história do famoso viajante e explorador veneziano da segunda metade do século XIII e de começos do XIV, o qual, entre outros feitos, proporcionou o estabelecimento da rota da seda entre o Ocidente e o Oriente, introduzindo, em consequência, uma maior variedade de produtos na Europa de então. Enquadra-se, cronologica e tematicamente, no período de grande reanimação económica e comercial, tanto por via marítima como terrestre, de vários núcleos urbanos europeus, em particular da Itália.

 

Ingmar Bergman (1956), O sétimo selo, título original: Det sjunde inseglet, actores: Gunnar Björnstrand, Bengt Ekerot, Nils Poppe, Max von Sydow, Bibi Andersson, Inga Gill. O filme explora sobretudo o temor da morte, centrando-se num cavaleiro que volta das Cruzadas e encontra na sua terra a peste e a mortandade. Quando se depara com a personificação da morte, aceita-a como um visitante esperado, mas propõe-lhe uma negociação – numa disputa de xadrez – para que possa ganhar tempo e indagar sobre o sentido da vida e, em consequência, o significado da morte. O jogo de xadrez é uma alegoria da busca do cavaleiro por um entendimento da vida através da racionalidade que, no final do filme, se torna evidente não ser possível, tal como a luta contra a morte. Dada a centralidade da religiosidade cristã na mundividência medieval, o sentido da busca do cavaleiro é o de questionar a religião, incluindo o papel de Deus e do Diabo na vida humana. Todos os aspectos da religiosidade são questionados, porém nenhuma resposta é dada sobre a sua veracidade. Nem Deus nem o Diabo se manifestam, mas ao longo de todo o filme vão surgindo homens pregando, representando e punindo em nome do sagrado. O personagem que fala em nome de Deus é o mesmo que roubava jóias dos mortos, que encabeça a procissão de flagelados e que convenceu o cavaleiro a partir para a cruzada, dez anos antes. Vemos, assim, como o sagrado é mudo neste filme; tanto Deus como o Diabo existem apenas na voz dos charlatães, em nome de uma Igreja decadente. Apropriado para alunos do ensino secundário, dada a complexidade das reflexões que suscita.

 

Jacques Demy (1972), A lenda da flauta mágica, título original: The pied piper, actores: Donovan, Donald Pleasence, Diana Dors, John Hurt, Jack Wild, Michael Hordern, Cathryn Harrison, Roger Hammond, Roy Kinnear, Keith Buckley, Peter Vaughan, Peter Eyre, Hamilton Dyce, Andre Van Gyseghem, John Falconer. Interpretação livre do conto folclórico popularizado pelos Irmãos Grimm, sobre um episódio lendário sucedido na cidade alemã de Hamelin, atacada por uma infestação de ratos, no século XIV. Um dia chega à cidade um homem autodenominado caçador de ratos, afirmando ter a solução do problema. Prometeram-lhe bom pagamento, uma moeda pela cabeça de cada rato. Aceite o acordo, pegou numa flauta e hipnotizou os ratos, afogando-os no rio Weser. Apesar disso, o povo da cidade abjurou o prometido e recusou-se a pagar, afirmando que ele não havia apresentado as cabeças. O homem partiu mas retornou semanas depois e, enquanto os habitantes estavam na igreja, tocou novamente a flauta atraindo então as crianças de Hamelin, que o seguiram para fora da cidade, onde foram enfeitiçados e trancados numa caverna. Na cidade, ficaram apenas os seus opulentos habitantes e seus repletos celeiros e bem cheias despensas, protegidas por sólidas muralhas e um imenso manto de silêncio e tristeza. Uma maldição se abateu sobre Hamelin, onde, por mais que se procure, nunca se encontra nem um rato, nem uma criança. Útil para explorar o problema das condições de higiene nas cidades medievais, sistemas de saúde e temores associados às pestes.

 

Jean-Jacques Annaud (1986), O nome da rosa, título original: Der name der rose, actores: Sean Connery, Christian Slater, Valentina Vargas, Elya Baskin, Michael Lonsdale, F. Murray Abraham. Na última semana de Novembro de 1327, num mosteiro da Itália medieval, a morte, em circunstâncias insólitas, de sete monges em sete dias e noites é o motor responsável pelo desenvolvimento da ação. Um monge franciscano, William de Baskerville, é chamado para solucionar o mistério e cai nas malhas de uma trama diabólica. Na forma de uma crítica, as violências sexuais, os conflitos no seio dos movimentos heréticos do século XIV, a luta contra a mistificação, o poder, o esvaziamento dos valores pela demagogia, constroem uma genuína reconstituição de época aos olhos do espectador. Bom recurso para explorar temas como o mosteiro enquanto entidade senhorial que controla os camponeses da região, aspectos ligados aos rituais e quotidiano dos monges, fabrico do livro e produção cultural, nas cenas do scriptorium e biblioteca monásticas.

 

John Boorman (1981), Excalibur, título original: Excalibur, actores: Nigel Terry, Helen Mirren, Nicol Williamson, Nicholas Clay, Cherie Lunghi, Paul Geoffrey, Corin Redgrave. Segundo uma tradição lendária medieval, o rei Uther Pendragon recebe do mago Merlin a mística espada Excalibur. Uther apaixona-se por Igrayne, esposa de um dos seus aliados (Titangel), e possui-a auxiliado por Merlin. Em troca, este exige que a criança, fruto dessa relação, lhe seja entregue quando nascer. Após varios conflitos, Uther é ferido mortalmente, e antes de falecer enterra a espada numa pedra, deixando a Inglaterra sem monarca. Apenas quem conseguir retirar a espada da pedra poderá tornar-se rei. Com a Inglaterra dividida e em conflito permanente, dada a ausência de um governante, vários nobres disputam a posse da espada, mas apenas o jovem Artur, filho ilegítimo de Uther, auxiliado por Merlin, consegue retirá-la. Entre vários feitos, Artur unifica o reino da Inglaterra, cria a Távola Redonda, unindo os mais nobres cavaleiros com um rígido código de conduta e constrói a cidade de Camelot. A partir daqui a história prossegue com novos personagens bem conhecidos de todos, como a rainha Guinevere, o cavaleiro Lancelote e seus companheiros da Távola Redonda, Morgana, a perversa meia-irmã de Artur. Para tratamento do tema da instituição da cavalaria, rituais e modo de vida dos cavaleiros medievais.

 

Kevin Reynolds (1991), Robin Hood, o príncipe dos ladrões, título original: Robin Hood, prince of thieves, actores: Kevin Costner, Morgan Freeman, Mary Elizabeth Mastrantonio, Christian Slater, Alan Rickman. Depois de ser capturado pelos turcos durante as Cruzadas, Robin de Locksley e um árabe, Azeem, conseguem fugir para Inglaterra, onde Azeem deseja permanecer até pagar a Robin a dívida de gratidão por este lhe ter salvado a vida. Entretanto, o pai de Robin fora assassinado pelo xerife de Nottingham, partidário do Príncipe João, que tudo fará para que Ricardo Coração de Leão não volte ao poder, e o filho jura vingança diante do seu cadáver. Nem sequer Marian, amiga de infância, pode ajudá-lo, e Robin refugia-se na floresta de Sherwood, onde se torna líder de um grupo de foras-da-lei que vão ajudá-lo a vingar-se do xerife e a recuperar o trono para Ricardo. Mais uma versão da história do famoso bandido que tirava aos ricos para dar aos pobres.

 

Luc Besson (1999), Joana d’Arc, título original: The messenger: the story of Joan of Arc, actores: Milla Jovovich, John Malkovich, Faye Dunaway, Dustin Hoffman, Tchéky Karyo, Vincent Cassel, Pascal Greggory, Richard Ridings, Desmond Harrington, Timothy West, Rab Affleck, Stéphane Algoud, Edwin Apps, David Bailie. Em 1412 nasce em Domrémy, França, uma menina chamada Joana, filha de camponeses. Os tempos são de guerra, Guerra dos Cem Anos entre a Inglaterra e a França, e os Ingleses ocupam o território francês, procurando impor os termos do tratado de Troyes. Ao atingir a idade de 16 anos Joana d’Arc, criada num ambiente místico-religioso, assume a incumbência, que, segundo ela, lhe estava reservada por Deus, de expulsar os Ingleses de França. Liderando o exército francês, consegue a libertação de Orleães, possibilitando a coroação de Carlos, o Delfim. Contudo, acaba por ser capturada pelos ingleses e julgada segundo a lei inglesa. Acusada de bruxaria, é condenada à fogueira. A sentença foi executada no dia 30 de Maio de 1431, tinha Joana d’Arc 19 anos. Além dos aspectos relacionados com a religiosidade medieval e em particular o misticismo que se manifesta nos séculos XIV e XV, destacam-se as muito realistas cenas de batalhas, as características do poder régio e a vivência na corte.

 

Mel Gibson (1995), O desafio do guerreiro; título original: Braveheart; actores: Mel Gibson, Catherine McCormack, Sophie Marceau, Patrick McGoohan, Peter Hanly. O filme retrata a figura histórica de William Wallace, guerreiro, patriota escocês e herói medieval. O realizador tenta conferir ao protagonista uma faceta mais romântica e idealista e menos sanguinária. A ação situa-se em finais do século XIII, época em que os rebeldes escoceses lutavam contra o domínio do rei inglês Eduardo I. Depois de, ainda criança, ter assistido à morte de seu pai às mãos dos ingleses, William é acolhido por um tio que lhe proporciona uma educação esmerada e erudita. Depois de percorrer o mundo, volta à sua terra natal e apaixona-se por uma jovem camponesa. Para escapar à deliberação régia segundo a qual um senhor feudal inglês tinha direito a dormir com a noiva no dia do seu casamento, contraem matrimónio secretamente. Contudo, a sua esposa é morta por um nobre inglês e, no decorrer da vingança, Wallace assume o comando de um pequeno exército de camponeses com o intuito de lutar pela soberania da Escócia. Chega mesmo a derrotar o poderoso exército inglês na Batalha de Stirling Bridge, mas fracassa em conseguir o apoio dos nobres líderes dos clãs escoceses, mais interessados em manter os seus privilégios junto da coroa inglesa. Apesar da ajuda da princesa Isabelle, nora do rei inglês, Wallace é traído pelos nobres escoceses e é aprisionado pelos ingleses. É torturado e executado em praça pública sem nunca renegar a legitimidade da sua luta. A reconstituição das batalhas constitui um bom recurso didáctico para explorar as armas, tácticas e organização dos exércitos medievais.

 

Michael Curtis (1938), As aventuras de Robin dos Bosques, título original: The adventures of Robin Hood, actores: Errol Flynn, Olivia de Havilland, Basil Rathbone, Claude Rains, Patric Knowles, Eugene Pallette, Alan Hale, Melville Cooper, Ian Hunter, Una O’Connor, Herbert Mundin, Montagu Love, Leonard Willey, Robert Noble, Kenneth Hunter. Com Ricardo Coração de Leão a combater no âmbito da Terceira Cruzada (1189-1192), a Inglaterra fica à mercê do seu irmão João Sem Terra, um tirano que tem como aliado Sir Guy de Ousborne. Robin de Loksley, um nobre fora-da-lei a quem usurparam os domínios, tudo fará para combater a injustiça reinante e devolver o trono ao rei legítimo. Uma das primeiras e a mais famosa versão cinematográfica da história lendária do famoso bandido que tirava aos ricos para dar aos pobres.


 

Moustapha Akkad (1976), Maomé, o mensageiro de Deus, título original: The Message, actores: Anthony Quinn, Irene Papas, Michael Ansara, Johnny Sekka, Michael Forest. No princípio do século VII, os poderosos líderes de Meca entraram em conflito com Maomé, que atacou os seus hábitos materialistas e as suas injustiças. Após as visões do Anjo Gabriel, Maomé e seus seguidores vão para o deserto. Com o seu povo, lutou e derrotou os chefes de Meca, destruindo os trezentos ídolos adorados na Kaaba e impondo a adoração a um único deus. Maomé vai depois para Medina e aí ordena a construção da primeira mesquita do mundo. Após longos anos fora de Meca, o número de discípulos cresce tanto que ele decide voltar para esta cidade e a doutrina do Corão passa a ser ensinada a todos os habitantes da Península Arábica. O Islão torna-se, assim, a religião oficial dos habitantes desse território, chamados de muçulmanos, e Maomé passa a ser considerado o Mensageiro de Allah. Sobre o nascimento da religião islâmica na Península Arábica, no século VII da era cristã, e a constituição do império árabe.

 

Pier Paolo Pasolini (1971), Decameron, título original: Il Decameron, actores: Franco Citti, Ninetto Davoli, Jovan Jovanovich, Vincenzo Amato, Angela Luce, Giuseppe Zigaina, Gabriella Frankel, Vincenzo Crito, Pier Paolo Pasolini. Uma adaptação de nove histórias incluídas no “Decameron” de Bocaccio, em que Pasolini satiriza a Igreja e os costumes medievais. Excelente reconstituição da vida quotidiana em Itália no final da Idade Média.
Pier Paolo Pasolini (1972), Os contos de Canterbury, título original: I raconti di Canterbury, actores: Hugh Griffith, Laura Betti, Ninetto Davoli, Franco Citti, Josephine Chaplin, Alan Webb, Pier Paolo Pasolini. Os participantes de uma peregrinação a Canterbury decidem contar um conto cada um como forma de passar o tempo. O jovem Nicola conquista a mulher do rico Giovanni aproveitando a superstição deste último; dois estudantes vingam-se do moleiro Simkin, ladrão de farinha; o inocente Perkin é enganado e vê-se forçado a casar com uma mulher mais velha; uma viúva de Bath que continua insaciável; um velho e rico comerciante decide casar-se com a bela May que o trai com um jovem rapaz. Enquanto estas aventuras têm lugar, um escrivião toma nota de todos os acontecimentos de uma forma divertida e irónica. Uma colecção de personagens muito rica, com representantes de todas as classes sociais e temas igualmente variados. Uma visão satírica da sociedade, da vida e dos costumes na Inglaterra do século XIV.

 

Richard Lester (1976), A flecha e a rosa, título original: Robin and Marian, actores: Sean Connery, Audrey Hepburn, Robert Shaw, Richard Harris, Nicol Williamson, Denholm Elliott, Kenneth Haigh, Ronnie Barker. As aventuras de Robin prosseguem anos mais tarde, quando depois das Cruzadas, em plena maturidade, regressa a Inglaterra. As coisas mudaram muito, Marian está num convento, e o rei Ricardo enlouqueceu. Os anos de aventura parecem ter acabado para Robin, mas quando o senhor de Nottingham volta a ameaçar Sherwood, reúne outra vez os seus fiéis amigos, que lutarão a seu lado com a bravura de outrora.

 

Richard Fleischer (1958), Os Vikings, título original: The Vikings, actores: Kirk Douglas, Tony Curtis, Ernest Borgnine, Janet Leigh, James Donald, Alexander Knox, Maxine Audley, Frank Thring, Eileen Way, Edric Connor, Dandy Nichols, Per Buckhøj. Einar e Eric são dois vikings meio-irmãos. Um deles é um grande guerreiro, o outro, um ex-escravo, mas nenhum deles conhece a verdadeira identidade do outro. Quando o trono de Northumbria na Bretanha fica vago, os dois irmãos vão competir um contra o outro para o ocuparem, e, embora os movam diferentes motivos, têm em comum o envolvimento da princesa Morgana.

 

Richard Thorpe (1952), Ivanhoe, título original: Ivanhoe, actores: Robert Taylor, Elizabeth Taylor, Joan Fontaine, George Sanders, Emlyn Williams, Robert Douglas, Finlay Currie, Felix Aylmer, Francis De Wolff, Norman Wooland. Baseado na obra de Walter Scott, de 1819, conta a história do cavaleiro Wilfred de Ivanhoe e dos seus esforços para entregar o trono de Inglaterra a Ricardo Coração de Leão, trono que lhe fora usurpado pelo príncipe João Sem Terra, seu irmão, quando aquele participava na Terceira Cruzada, no que foi também um confronto entre a influência dos normandos e dos saxões. Inteiramente filmado em Inglaterra, tem excelentes cenas de batalhas e um tratamento cuidado ao nível do guarda-roupa e do armamento da Europa do século XII. Note-se também a referência ao anti-semitismo que alguns nobres apregoam.

 

Ridley Scott (2005), Reino dos Céus, título original: Kingdom of Heaven, actores: Orlando Bloom, Liam Neeson, Jeremy Irons, Eva Green, Edward Norton, Ghassan Massoud, Brendan Gleeson, David Thewlis, Michael Sheen, Kevin McKidd, Nikolaj Coster-Waldau, Marton Csokas. Balian é um humilde ferreiro francês à procura de uma razão para viver depois da morte da mulher e do filho. Quando um conceituado nobre do reino de Jerusalém lhe confessa ser seu pai, Balian junta-se a ele na sua sagrada missão de proteger a Terra Santa. E com a morte do pai, Balian herda um título em Jerusalém, uma cidade a viver uma tensa convivência de religiões entre a segunda e a terceira Cruzada. Filme que poderá proporcionar alguma informação visual sobre o movimento cruzadístico da segunda metade do século XII, nos seus motivos e ambições, e a constituição dos reinos latinos no Oriente, palco de intercâmbios culturais e religiosos. A explorar a questão da convivência de muçulmanos, judeus e cristãos.

 

Ridley Scott (2010), Robin dos Bosques, título original: Robin Hood, actores: Russel Crowe, Cate Blanchett, Matthew MacFadyen, William Hurt, Mark Strong, Kevin Durand, Danny Huston, Max von Sydow, Oscar Isaac. A Inglaterra do século XIII, após a morte do soberano Ricardo Coração de Leão, atravessa uma grave crise nas mãos do Príncipe João, transformando Nottingham numa cidade saqueada e tiranizada não apenas pelos governantes mas também pelo próprio xerife local. Ao encontrar o amor em Lady Marion, Robin Longstride, leal servidor do anterior monarca, na esperança de merecer a sua mão e salvar a população da iniquidade reinante, vai criar um grupo de mercenários justiceiros, com capacidades guerreiras comparáveis à sua alegria de viver. Nascerá assim a lenda de Robin Hood, o grande herói fora-da-lei que, roubando aos ricos para dar aos pobres, devolveu a glória e a liberdade ao seu país.

 

Robert Bresson (1974), Lancelote do Lago, título original: Lancelot du Lac, actores: Luc Simon, Laura Duke Condominas, Humbert Balsan, Vladimir Antolek-Oresek, Patrick Bernhard, Arthur De Montalembert.

 

Victor Fleming (1948), Joana d’Arc, título original: Joan of Arc, actores: Ingrid Bergman, Leif Erickson, Francis L. Sullivan, J. Carrol Naish, Ward Bond, Shepperd Strudwick, John Ireland, Gene Lockhart, John Emery, Cecil Kellaway, José Ferrer, Selena Royle, Robert Barrat, Jimmy Lydon, Rand Brooks.

 

Vincent Ward (1988), O navegador:. Uma odisseia medieval, título original: actores: Bruce Lyon, Chris Haywood, Hamish McFarlane, Marshall Napier, Noel Appleby. Durante a Peste Negra do século XIV, na Inglaterra, os habitantes de uma remota aldeia de montanha, ouvem relatos de uma praga horrível que tomou conta do mundo. Tentam evitar a infecção através de um menino chamado Griffin, com reputação de ter visões. Com o apoio do mais famoso aventureiro da aldeia, um homem chamado Connor, que idolatra Griffin, um grupo de aldeões viaja para uma caverna nas proximidades, de onde retiravam cobre. Cavam por baixo da terra, continuamente e correndo contra o tempo num esforço para colocarem uma cruz na torre da “maior igreja em toda a Cristandade”, como uma oferta para captar a proteção de Deus.